Quinta-feira, 30 de Setembro de 2010

Ideologias à parte

 

O OE em vez de ser um instrumento previsional de receitas e despesas com grandes orientações de política económica, tornou-se numa tenaz que corta direitos, nega as oportunidades do presente e impõe enormes nebulosidades sobre o futuro.

 

 

Custa acordar num país em que a realidade nua (como o rei que afinal se passeava em camisa) e crua, se abateu sobre os seus cidadãos, sem que estes a tenham podido antecipar, tais eram as distorções informativas que nos davam como campeões a vencer a crise "que vinha de fora".

 

Recordo-me, já comigo a trabalhar e a pagar impostos, de 3 situações tremendamente difíceis vividas pelos portugueses.

1. A vinda do FMI após a governação penosa dos anos 83/85;

2. A demissão de um Primeiro Ministro ante a ameaça de um pântano político e económico, e

3. A ameaça recente de demissão de outro PM em situações ainda mais difíceis do que as anteriores, se houver reprovação do Orçamento de Estado.

 

Todas elas com denominador comum: uma governação de aumento de impostos (que depois não baixaram), com muitos sacrifícios em final de governação, com excessivo endividamento nacional, com abandono dos responsáveis e com um imenso crescimento do Estado, cujas gorduras acabariam por paralizá-lo e ditar vários empobrecimentos, não só económicos mas culturais e cívicos.

 

Presentemente – muitos o vinham dizendo e antecipando – as coisas tinham de mudar, ou de modo inteligente e prospectivo, ou de modo meramente reactivo, "avulsando" medidas que depois já não permitem a recuperação de coisa nenhuma. Basta pensar no IVA a 23% e no quanto será castrador de desenvolvimentos económicos com refreamentos de consumos e perda de competitividade!

 

Ontem no final do Conselho de Ministros as más notícias dos "remédios" inadiáveis sucederam-se e doeram (mais do que os golos sofridos pelo Benfica), e em vez do OE ser um instrumento previsional de receitas e despesas com grandes orientações de política económica, tornou-se numa tenaz que corta direitos, nega as oportunidades do presente e impõe enormes nebulosidades sobre o futuro.

 

Foi demasiado rápida esta passagem para o empobrecimento colectivo do país.

 

António Edmundo Ribeiro

30 de Setembro de 2010

 

 

 

Fonte: www.guarda.pt

http://www.executivo.guarda.pt/negocios/analiseecomentarios/Paginas/Ideologiasaparte.aspx

publicado por jsdceloricodabeira às 13:17

link do post | comentar | favorito

.Contactos

jsdceloricodabeira@sapo.pt 934164241

.links

.posts recentes

. O Futuro somos nós!

. PS dá bilhetes para ocean...

. Politica de verdade!

. LANCHE-CONVÍVIO EM CELORI...

. Este é o Estado Social de...

. Ao que chegámos!

. Debate de ontem entre Pas...

. Comparação programa PSD /...

. Resultados

. Lista candidata à Jsd de ...

.arquivos

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

.pesquisar

 

.Maio 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
14
15
18
19
20
25
27
29
30
31

.subscrever feeds